Mãe. Inquieta. Lésbica. Foda-se. ▶ #Herstorytelling

Escrituras sangradas

Quando olhares para o céu, abóbada azul, lembra-te: és nuvem que passa e logo em breve tu te dissiparás. E ao apertares os olhos sentido a dor feminina de rasgar o ventre em vermelho, lembra-te que é dele que são feitas tuas estranhas entranhas de mulher. E se por acaso teu útero contrair, não permitas tu que teu grito mudo delate tua íntima dor. Já aprendeste o caminho do silêncio, segue por ele. Segue sangrando por este caminho solitário e seco. Teu coração ainda bate quente no silêncio seco e espesso do deserto. Para onde vais? Para onde fores. Para quem gritarás? Socorro, para a voz que mora na tua própria cabeça. E quem responderá? Necessário que saibas: ninguém. Tuas pernas são tuas últimas companhias e teus olhos, a única esperança. Para além do que tu não podes ver, existe o que tu ainda não enxergas. Anda. Atravessa o deserto que há em ti, o deserto de mar morto que sangra aí dentro. Atravessa com sede, fome e medo, nem ao menos a ilusão do oásis à tua frente. Anda, atravessa teu deserto íntimo e universal de mulher. Tu mesma te esperas do outro lado do deserto. Altiva e outra.

(escrito originalmente no meu blog de poemas autorais Língua Inquieta, em 2010)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

HTML básico é permitido. Seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine este feed de comentários via RSS

%d blogueiros gostam disto: