Não sei se lerá ou responderá,mas eu preciso
comentar nos vários pontos abordados em sua
postagem.

Para começar vou dar um breve resumo de
quem sou para que tenha uma leve orientação
de minhas motivações e emoções : sou
negra,quase 30 anos , não me considero
feminista,minha mãe tem 5a série incompleta
(empregada doméstica) e meu pai é
semianalfabeto. Cursei 4 anos em escolas
particulares sendo bolsista e o restante no
sistema público de ensino.

O tema Descolarização e Homeschool (vou
tratar como Ensino Doméstico) realmente está
na baila.Pesquise um pouco e achará muita
gente da Direita (Olavistas) estimulando essas
famílias,que julgam ter um Plano Obscuro
Esquerdista em obrigar a escolarizar aos 4
anos.Claro,outra parte dos que optam estão
descontentes com o panorama educacional.Sou
uma delas.

Um ponto sobre a elitização é sempre tocarem
na necessidade do curso superior (uma das
famílias autorizadas a seguir com a Educação
Domiciliar é formada por professores
universitários).E o outro ponto é julgar coisa de
pessoal com renda alta.Pela possibilidade de
pagar professor,fazer turismo,passeios
culturais.

Sendo uma pessoa que adotou uma mater
(pater) nidade com apego,com amamentação
prolongada e presença equilibro isso com meu
esposo e com nossos simplórios mil reais
mensais.Pra mim não escolarizar é dar tempo
de formar o caracter da criança.É da espaço
para um infância lúdica.E é evitar as
professoras com discurso
racista,homofóbico,elitista ,sexista e tantas
outras coisas em tenra idade.Estimulo o senso
crítico e quebro o senso comum todo santo dia
(principalmente o meu,como Anna Tomaz
disse,me descolarizando).E já tenho material
educativo para o próximo ano!Não chega a
metade do valor do que pedem p/ a lista de
material de uma escolinha de bairro.Muito
produto reciclado,muita agenda cultural
gratuita, muito espaço ao ar livre.E muita
socialização no interior das cidades rurais.Nas
festas para crianças na macumba.Nas festas de
bairro e na vizinhança.

Sei que não tenho condições e nem a menor
vontade de arcar com uma escola particular.Vivi
nesse meio e olha,nem se pudesse pagar (e
quisesse).Acho uma fina ironia a classe média
sofredora reclamar da educação, mas enfiar
seus filhxs numa escola que cobra o que
representa o salário de 3 meses de umx
trabalhadorx .Se é pra mudar, vamos matricular
a criançada na pública.Preciso dizer que me
acham MUITO louca por falar isso?Nenhuma
das pessoas do meu círculo fariam isso.As
pessoas se MATAM para colocar numa escola
mequetrefe que perpetua estereótipos.Que
denigrem suas diferenças.

Daí chegamos na medicalização infantil : vão no
elo mais fraco e indicam um médico (atrelado a
escola), umx psicólogx e um comportamento
que é esperado como tido “normal” :
sentar,olhar para x professorx
,ouvir,copiar,seguir padrões de desenho –
grafismo -rabisco ,interagir com colegas por 20
minutos numa gritaria sem fim ,voltar pra
sala.Cinco dias por semana.Ás vezes o dia
todo.Integral.Desde 2 anos de idade (ou
menos).Quem com tanta vontade de descobrir
o mundo,observar o sol,a luz que passa pelo
vidro e faz um reflexo,o som de algum barulho
láaaa fora,conseguiria ficar quieto?Ser
domesticado em poucas semanas?
Mãezinha,paizinho sua criança TEM um
problema.Ansiosa.Hiperativa.Se continuar assim
VAI pior.Não vamos. conseguir educá-la.Vou
indicar umx ótimx médicx!Há sim,necessidade
de um acompanhamento em alguma
pessoas,mas será que é preciso medicar logo?
Sem tentar outro método?

A formação do senso crítico ajudará na
adolescência,em momentos de enfrentar
situações de risco e abuso.Por que tem muita
gente que vive relacionamentos abusivos e acha
normal.Na tevê,nos filmes,nos livros : é sempre
assim,quem sou eu para quebrar a corrente?
Nós somos gente!

Voltando na escola pública : convivi com
rapazes mudando a estrutura corporal com
hormônios (desculpe,não sei o termo
correto,seria Cis?), com lésbicas,gays e
bis.Convivi com obesos,gordos e pessoas
magras.Mestiços de todo tipo.Situações
econômicas idem.Pessoas que passavam a noite
em Casas de Detenção Juvenil e nunca
imaginaria!Fizemos trabalho com gravidez
precoce inloco ,lá no SUS.Juntamos moedinhas
para rachar o refrigerante do almoço (no
refeitório).Choramos e sofremos com os
dramas de nossxs mestrxs.Perdemos amigos
pro tráfico.Tínhamos o telefone da casa de
muita gente (adultos) para pedir ajuda,caso
fosse necessário.Ajudamos/apoiamos
dependentes químicos.Por que não melhoram a
vida desse mega universo que é a escola
pública?Onde o problema de um acaba sendo o
de todos?Por tantos momentos inesquecíveis
locarei na pública,serei uma mulher atuante na
Associação de Pais e Mestres.É nesse lugar que
nos ensinam : vocês, se terminarem o Ensino
Médio,serão empregados do pessoal da
particular.Vocês são feios,nem poderão
trabalhar em lojinha de shopping.Vocês tem
que meter a cara,aproveitar que ninguém
espera NADA de vocês.Nos surpreendam!

Desescolarizar é isso : Surpreender.Todo dia!

*por favor,perdoe meus erros, acho que
poderia continuar escrevendo MUITO sobre o
tema.Queria ter abordado a falsa inclusão das
crianças típicas,cadeirantes e cegas.Ter dito
que dá para fazer material escolar com
produto caseiro e que papelão e garrafa pet
são os melhores materiais p/ juntar e criar
brinquedos.Falar sobre o tal parto humanizado
que precisa custar 10 mil e não pode ser feito
no SUS (onde pari) e sobre a participação REAL
do pai em todos os assuntos,mas acabaria
saindo do tema.

Um enorme beijo e Boas Festas!

Curtir