Mãe. Inquieta. Lésbica. Foda-se. ▶ #Herstorytelling

Eu não educo meu filho para a independência

Eu não educo meu filho pra independência e sim para a autonomia, porque um ser humano nunca será independente. Somos todos seres sociais que precisam uns dos outros para viver. Quem vem me dizer que devo dar menos colo para o meu bebê, quem sugere que eu o deixe em um carrinho em nome de uma liberdade que eu não desejo, quem diz que cama compartilhada é perigoso, quem diz que choro é birrinha manipuladora, quem se incomoda com o excesso de amor que dou pra ele, enfim, tem uma compreensão das necessidades de um bebê bem diferente da minha.

A minha compreensão (respaldada por evidências científicas e pela minha intuição) é a de que bebês precisam ser atendidos em suas necessidades de contato (pele, colo e peito) para que se sintam seguros e para que, assim, comecem a desenvolver a autonomia. Não sou eu que tenho que forçar esse aprendizado, a autonomia é uma característica inerente ao ser humano e a minha plena confiança nisso faz com que eu sinta prazer em ter a minha liberdade temporariamente limitada em prol do desenvolvimento da liberdade dele. Gradualmente ele se desenvolve. Eu confio na potência do meu filho. Confiança faz parte do amor. Amor é o oposto do medo. A minha liberdade, hoje, está em amar meu filho e faço isso por meio do corpo. Eu o amo com a pele, com o colo, com o seio.

Quando ele aprender a ouvir e a falar, quando ele aprender a me amar e a se relacionar com o mundo por meio das palavras, a necessidade da pele, do colo e do peito vai diminuir. Até que o seu vocabulário aumente e meu peito não seja mais necessário. Porque essa é a função do seio: nutrir e acalmar. Até que ele fique fluente na língua portuguesa e saiba verbalizar suas frustrações e inseguranças e não precise gritar e chorar e vir pro meu colo porque sabe que um diálogo resolve seu problema mais rapidamente. Até que ele não caiba mais dentro do meu colo. E mesmo depois de aprender a escrever, ele sempre terá as minhas mãos para um cafuné nos momentos em que palavra nenhuma funcionar.

Eu não o educo para a independência e sim para que ele seja uma pessoa confiante em sua própria capacidade de lidar com tudo o que acontecer com ele, inclusive com as frustrações. Isso é autonomia. Eu o educo para que ele saiba confiar em si mesmo. Para isso, ele precisa de alguém que confie nele antes. Eu confio no meu filho, acredito que seu choro é um chamado que merece ser ouvido, não birrinha. E sei o que ele quer quando me chama: colo, pele, peito. Eu o educo para que a partir de sua autoconfiança, ele tome decisões que tragam consequências positivas para sua vida e para o coletivo. Eu o educo para que ele também aprenda a confiar nas pessoas do mesmo jeito que quero que ele confie em mim. Eu o educo para que ele tenha uma referência cristalina de amor. Eu o educo para que ele entenda que eu não sou perfeita, que tenho direito ao erro tanto quanto ele, mas que eu busco desenvolver cada vez mais a minha capacidade de acertar, porque sempre é possível ser uma pessoa mais consciente. Não para ser independente.

A independência é a ilusão do século XX. Eu educo o meu filho para o século XXI. Para o hoje. E para o amor que é o que une todos nós apesar das diferenças. O amor infinito e atemporal.

Anúncios

18 Respostas para “Eu não educo meu filho para a independência”

  1. Marina Matos

    Uau, que texto!!
    Como se eu lesse o que anda martelando aqui na minha cabeça há dias, haha
    Eu, grávida de 15 semanas, penso tanto nisso, e concordo plenamente com você. É um medo extremo que se tem de criar filhos dependentes e, veja bem… o que fazem para a “independência”, muitas vezes, causa exatamente o contrário! Porque a gente chora, “faz birra” e sente falta é daquilo que não tivemos, né?! Ninguém reclama por aquilo que tem!
    Fora que é uma delícia dar colo, amor, atenção pra quem a gente mais ama, não vejo motivos para não fazer 🙂

    Beijo!

    Curtir

    Responder
    • milfwtf

      Exatamente, Maria! As pessoas, com medo de criar pessoas dependentes, acabam criando pessoas… dependentes: do olhar do outro, de atenção, de drogas, tudo para tapar o buraco que uma educação baseada no medo deixou no peito dos filhos. Eu prefiro sempre questionar meus medos e colocar o amor no lugar. Boa gravidez, bom parto e uma linda maternidade pra você! ♥

      Curtir

      Responder
      • Quelen

        Simplesmente lindo! Concordo plenamente qdo diz “as pessoas, com medo de criar pessoas dependentes, acabam criando pessoas… dependentes…”

        Curtir

  2. Ticiana Lubanco

    lindo texto, lindas palavras! concordo com cada uma delas!!! dar amor incondicional aos nossos filhos só os torna confiantes e seguros!!!
    🙂

    Curtir

    Responder
  3. Maíra Castanheiro

    Isso! Porque nos privar do amor em nome de uma suposta independência? Que ninguém tem, como bem diz o texto, somos seres humanos e dependemos totalmente das relações para sobrevivermos, precisamos de contato, de pele, corpo, saliva, dente, unha! Nossos hormônios e nossos corpos pedem isso, e desde pequenos somos reprimidos a não usar nosso corpo para o contato, e vamos crescendo com toda essa repressão, e mais tarde isso nos afeta, nas nossas relações sexuais inclusive! pra mim amamentar é um ato sexual mesmo, qndo eu e maria alice (terça-feira irá fazer 8 meses!) estamos nestes processo, barriga com barriga, ela mamando, nossos olhares, ela com as suas mãozinhas pegando no meu cabelo, na minha blusa, me acariciando, é uma relação de amor, de contato, e ela n gosta de ser interrompida e nem q a distraiam, aliás, imagina, vc trepando e chega algm lá p te distrair, te interromper? quem gosta? brocha né? pois é, amor gera amo, mais amor por favor mesmo.

    Curtir

    Responder
  4. Rita

    Fabuloso! Estou absolutamente sem palavras! Os meus parabéns por tão rica consciência. Abraço muito forte

    Curtir

    Responder
  5. Candice Bittencourt

    MILF, confesso que fiquei bem confusa com esse texto…independência e autonomia não são palavras interligadas? não as vejo como um contraponto e sim como relacionais…como se fossem irmãs. ( desculpe, não captei…). bj

    Curtir

    Responder
    • milfwtf

      Autonomia refere-se à capacidade de gerir a própria vida e de tomar decisões. Independência refere-se à capacidade de realizar atividades cotidianas sem auxílio. 

      😉

      Curtir

      Responder
  6. Fernanda Rabelo

    Nossa adorei sua mensagem. Eu me sinto assim como mãe. O que desejo para minhas filhas? Que elas possam ser pessoas melhores a cada dia, uma evolução por vez e a cada ciclo da vida. Um dia ouvi uma pessoa dizer que minha filha de 4 anos, que estava chorando, estava grande demais para se colocar no colo. E eu perguntei? Por acaso ela deixou de ser minha filha porque tem 4 anos? Naquele momento, ela queria um carinho da mãe, o apoio que só a mãe consegue dar, em um momento de insegurança e angustia de estar em um lugar diferente com pessoas diferentes…não era birra. E se fosse? Amaria e acalmaria ela no meu colo o tempo que fosse preciso. Acho que nós mães precisamos de mais textos como o seu para “fortalecer” este vinculo que só existe entre os pais.

    Curtir

    Responder
  7. Michelle.

    É tudo que eu queria dizer a algumas pessoas que se entrometem na maneira que educo meu filho. Sabias palavras..

    Curtir

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

HTML básico é permitido. Seu endereço de e-mail não será publicado.

Assine este feed de comentários via RSS

%d blogueiros gostam disto: